Movimento Somos 70% lança campanha incentivando atos contra Bolsonaro

0
131

Vídeo associa presidente à ditadura, ‘hora de enfrentar a insensatez’

O movimento Somos 70%, hashtag criada pelo economista Eduardo Moreira e que reúne críticos ao governo do presidente Jair Bolsonaro, produziu vídeo divulgado nesta 5ª feira (4.jun.2020) que opera como incentivo à participação popular em protestos contra o governo. A campanha é publicada nas redes sociais dias antes dos atos pró-democracia marcados para ocorrer no domingo (7.jun.2020).

O mote do movimento, de que há 70% de brasileiros insatisfeitos com o governo, é fruto das pesquisas de opinião que apontam haver cerca de 30% da população que avalia o presidente Bolsonaro como bom ou ótimo.

Bolsonaro não é diretamente mencionado no vídeo, mas sua imagem é exibida no momento em que o narrador lê trecho de 1 texto que fala em “horror a ditadores“. Também é exibida a imagem do ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente) no momento em que é criticada a atual política ambiental e o desmatamento.

Há também defesa à “ciência” e ao isolamento social, medida recomendada por autoridades sanitárias para reduzir a transmissão da covid-19, mas que é criticada por Bolsonaro.

“Somos 70% de brasileiros e brasileiras que não aceitam que ninguém seja deixado para trás em meio a essa terrível pandemia. Somos 70% que apoiam o isolamento social, que acreditam na ciência, no conhecimento, na luz das ideias e não em mentiras repetidas à exaustão. E nem que a Terra é plana”, diz o vídeo.

“Somos os 70% que não aceitam chantagens e ameaças antidemocráticas. Somos os 70% que mantêm vivo na memória e no coração o horror a ditaduras. O horror a ditadores. […] É chegada a hora de transformar os 70% em uma força viva. De somar a sua indignação com o de tantos. E enfrentar a falta de humanidade, enfrentar a marcha da insensatez até que a ameaça não mais ameace ninguém“, continua.

Assista ao vídeo abaixo:

O idealizador do #Somos70porcento diz que o movimento é apartidário. A hashtag tem como companheira a #EstamosJuntos, outro movimento que mantém grupos de WhatsApp abertos em todas as unidades federativas e cujo manifesto foi assinado por nomes como Fernando Haddad, Fernando Henrique Cardoso, Flavio Dino, Guilherme Boulos, Luciano Huck, Manuela D’Ávila e Marcelo Freixo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui