10 capitais têm sinal de alta em casos de síndrome respiratória aguda grave

0
122

Dez capitais brasileiras mostram tendência de crescimento de casos de SRAG (síndrome respiratória aguda grave). Os dados constam na última edição do InfoGripe, boletim de monitoramento semanal da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), que reuniu informações de 8 a 14 de novembro.

Rio Branco (AC) foi a única capital com sinal forte de crescimento (maior que 95%) na tendência de longo prazo (6 semanas). Belo Horizonte (MG), Florianópolis (SC), João Pessoa (PB), Natal (RN), Plano Piloto de Brasília e arredores (DF), São Luís (MA), e Vitória (ES) apresentaram sinal moderado (maior que 75%) de crescimento no longo prazo.

Goiânia (GO) e Palmas (TO) apresentam sinal moderado de crescimento na tendência de curto prazo (3 semanas).

As tendências se referem ao período anterior à data do boletim. Ou seja, a de longo prazo representa o que foi observado nas 6 semanas anteriores. A de curto prazo, nas 3 semanas anteriores. Caso nenhuma ação coletiva seja feita, espera-se que essas tendências se mantenham nas semanas posteriores.

A SRAG pode ser causada por vários vírus respiratórios. Em 2020, no entanto, a Fiocruz aponta que quase 98% dos casos registrados no Brasil têm o Sars-CoV-2, o vírus responsável pela covid-19, como causa. A fundação alerta que todas as regiões do país estão em zona de risco quanto às mortes por covid.

São Paulo, embora apresente sinal de estabilidade nas tendências de curto e longo prazo, também indica sinal de que houve crescimento nas semanas anteriores.

Algumas capitais que apresentaram sinal de crescimento no último boletim se estabilizaram. É o caso de Belém, Fortaleza, Maceió, Macapá e Salvador.

Já Manaus tem sinal moderado de queda. O pesquisador Marcelo Gomes, coordenador do InfoGripe, ressalta que o sinal é de queda lenta e ainda insuficiente para retornar ao patamar observado em julho.

Além disso, o sinal de queda pode ter sido influenciado pela interrupção na inserção dos dados (…), sendo recomendado aguardar as próximas semanas para confirmação de queda sustentada”, afirmou o pesquisador.

O sistema do Ministério da Saúde sofreu 1 ataque hacker em 5 de novembro e os Estados tiveram dificuldades em inserir os dados.

Tal alteração pode resultar em eventual perda de qualidade da estimativa de casos recentes em alguns locais. Como o sistema é recalibrado semanalmente, eventual perda de precisão deve ser reduzida gradativamente nas próximas semanas”, afirmou Gomes.

De acordo com o InfoGripe, a incidência de SRAG a nível nacional apresenta tendência de queda com possível estabilização. O boletim, no entanto, mostra que o número de casos continua muito alto. No total, já foram reportados 551.031 casos de SRAG, sendo 301.600 (54,7%) com resultado laboratorial positivo para algum vírus respiratório.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui