Em delação, empresário diz que pagou R$ 2 milhões de propina a Vaccari

OUÇA A MATÉRIA

Mario Suarez deu depoimento em 2019, pagamentos eram feitos na sede do PT, partido vê acusação ‘fantasiosa’

O empresário Mario Seabra Suarez, da Mendes Pinto Engenharia, disse em delação premiada que a construtura pagou pelo menos R$ 2 milhões ao ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto. A propina teria sido paga em troca do à empresa para construir a Torre Pituba, sede da Petrobras em Salvador (BA).

De acordo com Suarez, parte do dinheiro foi entregue a Vaccari na sede do PT. “O doleiro usava 1 correspondente em São Paulo para efetuar entregas na própria sede do PT”, diz trecho da colaboração.

O delator disse que “à época, ficou definido que Vaccari receberia R$ 100.000 por mês, mas, para atender demandas da eleição da Presidência de 2010, Vaccari pressionou, e a maior parte dos pagamentos foi efetivada de janeiro a setembro daquele ano”. A candidata presidencial daquele ano pelo PT foi Dilma Rousseff. A petista, no entanto, não foi citada como parte do esquema.

Ainda segundo a delação, foi cobrado o valor aproximado de R$ 9,6 milhões de propina para que a Mendes Pinto Engenharia vencesse o certame para a construção do prédio. Do total, 1/3 iria para o comitê nacional do PT –por meio de Vaccari–, 1/3 para operadores da Petros (fundo de pensão da Petrobras) e Petrobras e 1/3 para o PT da Bahia.

Os depoimentos de Suarez foram prestados de 10 a 12 de setembro de 2019, e os termos da delação foram anexados na última 2ª feira (13.jan.2020) na ação penal da Lava Jato que investiga o caso da sede da estatal na Bahia.

A íntegra do parecer do MPF (Ministério Público Federal) pode ser lida aqui. A íntegra das delações de Suarez podem ser acessadas aqui.

Outros 2 sócios da Mendes Pinto Engenharia –Marcos Felipe Mendes e Alexandre Suarez– também delataram para falar do mesmo caso.

A ação sobre a Torre Pituba foi aberta no fim de 2018 e tem mais de 40 réus. A construção do prédio passou de R$ 320 milhões para R$ 1,3 bilhão com superfaturamento, segundo o MPF.

Por meio de nota, o PT disse que a denúncia é “fantasiosa, sem sentido e sem provas”. Para o partido, o vazamento da delação aconteceu esta semana por causa da indicação do documentário “Democracia em Vertigem”, sobre o impeachment de Dilma, ao Oscar. Já a defesa de Vaccari disse que a acusação do delator é  “inverídica e destituída de qualquer prova”.

FONTE: Poder 360

Adicionar comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *