Câmara do Rio vota na 5ª feira abertura de impeachment contra Crivella

0
103
O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, fala com a imprensa no Palácio da Cidade, em Botafogo, zona sul da cidade.

Anunciada pelo presidente da Câmara, pelo caso ‘Guardiões do Crivella’, pedido foi protocolado pelo Psol

O presidente da Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro, Jorge Felippe (DEM), disse nesta 3ª feira (1º.set.2020) que a Casa votará na 5ª feira (3.set.2020) a abertura de processo de impeachment contra o prefeito Marcelo Crivella (Republicanos).

O pedido foi protocolado pelo Psol. O partido baseia-se em reportagem sobre os “Guardiões do Crivella”, do Jornal Nacional (TV Globo), que mostrou que a prefeitura carioca mantém 1 esquema de plantão de funcionários nas portas de hospitais públicos da cidade para atrapalhar jornalistas e impedir que a população denuncie aos repórteres a situação da saúde pública.

O presidente Jorge Felippe decidiu aceitar a solicitação e a votação será levada ao plenário. O demista poderia ter recusado monocraticamente o pedido.

Para que o inquérito seja aberto, é necessário que mais de a metade dos vereadores votem nesse sentido. Dos 51 membros da casa, pelo menos 26 precisam consentir com o início das investigações.

Crivella está em seu 1º mandato no comando do Palácio da Cidade. Acaba em 1º de janeiro de 2021. Contudo, o prefeito é pré-candidato à reeleição pelo Republicanos. Caso seja deposto, terá seus direitos políticos suspensos por 8 anos e não poderá concorrer.

Em 2019, Crivella foi alvo de outro processo de impeachment, aberto devido a supostas irregularidades na renovação do contrato da exploração do mobiliário urbano por empresas de publicidade. Contudo, em junho os vereadores rejeitaram a deposição.

Entenda: “Os Guardiões do Crivella”

Segundo a TV Globo, os funcionários se organizam por meio de grupos no WhatsApp. Um deles tem o nome de “Guardiões do Crivella”, em referência ao prefeito da cidade, Marcelo Crivella (Republicanos). A emissora constatou a existência de outros 2 grupos com a mesma finalidade: “Assessoria Especial GBP” (gabinete do prefeito) e “Plantão”. Nos grupos, os funcionários públicos ficam sabendo para qual hospital devem se dirigir e enviam foto no local para “bater o ponto”.

A reportagem teve acesso ao conteúdo das mensagens enviadas. Em uma ocasião, os funcionários foram repreendidos depois que a reportagem ao vivo de 1 jornalista não foi interrompida. A Globo mostrou imagens com “invasões” vividas por jornalistas da emissora e ocasiões nas quais entrevistas tiveram que ser interrompidas.

Um dos funcionários destacados para a missão contou à TV Globo que a tática foi colocada em prática no fim de 2019. “Nós temos essa missão lá [hospitais públicos] há mais de 8 meses. Antes, já estava funcionando, mas quando entrou a covid em março, ficou todos os dias. Existe plantão nas unidades para poder cercear a imprensa”, falou.

Em nota, a prefeitura do Rio de Janeiro disse que “reforçou o atendimento em unidades de saúde municipais no sentido de melhor informar à população e evitar riscos à saúde pública, como, por exemplo, quando uma parte da imprensa veiculou que 1 hospital (no caso, o Albert Schweitzer) estava fechado, mas a unidade estava aberta para atendimento a quem precisava. A Prefeitura destaca que uma falsa informação pode levar pessoas necessitadas a não buscarem o tratamento onde ele é oferecido, causando riscos à saúde”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui