Empresários ligados ao MBL são presos em operação contra lavagem de dinheiro

0
413

Duas pessoas ligadas aos MBL (Movimento Brasil Livre) foram presas na manhã desta 6ª feira (10.jul.2020). Alessander Monaco Ferreira e Carlos Augusto são investigados por desviar mais de R$ 400 milhões de empresas. A operação Juno Moneta foi realizada em conjunto pela Polícia Civil, Ministério Público Estadual e Receita Federal.

Segundo nota do MP (leia a íntegra no fim deste post), Carlos Afonso e Alessander Mônaco são investigados por lavagem de dinheiro e ocultação de patrimônio. São cumpridos, além dos 2 mandados de prisão, 6 de buscas e apreensão na cidade de São Paulo e em Bragança Paulista, interior do Estado. Um dos mandados de busca ocorre na sede do MBL.

A operação foi às ruas com 35 policiais civis do Dope (Departamento de Operações Policiais Estratégicas) e 16 viaturas.

Ao Poder360, o deputado Kim Kataguiri afirmou que os alvos da operação não são integrantes do MBL. “O que aconteceu foi uma confusão causada por uma notícia errônea, veiculada por 1 portal”, disse. “Carlos Afonso tinha 1 blog e participava como comentarista no MBL. O Alexandre Mônaco mandava perguntas ao programa MBL News” acrescentou Kim. 

O MP também diz que o MBL recebia “doações de forma suspeita” por meio de “cifras ocultas” em uma “confusão jurídica empresarial” com o MRL (Movimento Renovação Liberal).

De acordo com Kim, “não existe nenhuma empresa do MBL, o que existe é uma empresa, que é a pessoa pessoa jurídica, e uma marca MBL”.

Leia a íntegra da nota do Ministério Público

“NOTA À IMPRENSA – Operação Juno Moneta
Nos Autos de Procedimentos Cautelares Criminais, na data de hoje foram cumpridos mandados de busca e apreensões e duas prisões temporárias de 5 dias em relação a pessoas e empresas ligadas ao MBL (Movimento Brasil Livre) e MRL (Movimento Renovação Liberal) pelo Ministério Público de São Paulo (GEDEC), pela Receita Federal e pela Polícia Civil de São Paulo em 6 endereços correspondentes às empresas envolvidas na investigação sobre prática de crimes de lavagem de dinheiro.

As prisões temporárias foram realizadas em relação a Alessander Monaco Ferreira e Carlos Augusto de Moraes Afonso (alcunha: Luciano Ayan), os quais, segundo a investigação, mantêm estreitas ligações com os movimentos.

As evidências já obtidas indicam que estes envolvidos, entre outros, construíram efetiva blindagem patrimonial composta por um número significativo de pessoas jurídicas, tornando o fluxo de recursos extremamente difícil de ser rastreado, inclusive utilizando-se de criptoativos e interpostas pessoas.

No curso dos trabalhos conjuntos ficaram evidenciadas:

Movimento Brasil Livre:

• Confusão jurídica empresarial entre as empresas MBL e MRL;
• Recebimento de doações de forma suspeita (cifras ocultas). Recebimento de doações através da plataforma Google Pagamentos – que desconta 30% do valor, ao invés de doações diretas na conta do MBL/MRL;
• Constituição e utilização de diversas empresas em incontáveis outras irregularidades, especialmente fiscais. A família Ferreira dos Santos, criadora do MBL, adquiriu/criou duas dezenas de empresas – que hoje se encontram todas inoperantes e, somente em relação ao Fisco Federal, devem tributos, já inscritos em dívida ativa da União, cujos montantes atingem cerca de R$ 400 milhões.

Alessander Monaco Ferreira:

• Movimentação financeira extraordinária e incompatível;
• Criação/Sociedade em 2 empresas de fachada;
• Ligado aos “Movimentos”, realiza doações altamente suspeitas através da plataforma Google;
• Viajou mais de 50 vezes para Brasília, entre julho/2016 a agosto/2018 – todas (conf. Consta) para o Ministério da Educação – com objetivos não especificados;
• Apesar de tudo, solicitou emprego e foi contratado pelo governo do Estado de SP para trabalhar na CADA – Comissão de Avaliação de Documentos e Acesso da Imprensa Oficial do Estado – e justamente um cargo que tem função de gerenciar tarefas de eliminação de documentos públicos, de informações relativas ao recolhimento de documentos de guarda permanente, produzidos pela Administração Pública;

Carlos Augusto de Moraes Afonso (Luciano Ayan):

• Ameaça aqueles que questionam as finanças do MBL;
• Dissemina fake news;
• Criação/Sócio de ao menos 4 empresas de fachada;
• Uso de contas de passagem, indícios de movimentação financeira incompatível perante o fisco federal.

Foram apreendidas diversas mídias digitais, entre celulares, computadores, HDs e pen- drives; documentos impressos, dinheiro e foram encontradas e não apreendidas drogas (maconha) interpretadas para uso pessoal.

Não é possível fornecer mais detalhes e mais informações nesse momento por estar a investigação ainda em curso.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui