Governo diz a empresários que não permitirá compra de vacina para funcionários

0
101

Segundo o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, essa possibilidade foi negada em reunião virtual realizada nesta quarta-feira (14) com ministros.

A possibilidade de empresas comprarem vacinas para a imunização de funcionários contra a Covid-19 foi negada pelo governo federal, segundo afirmou nesta quinta-feira (14) o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf.

A proibição foi informada em reunião virtual realizada com empresários na quarta-feira (13) e que contou com a participação do ministro-chefe da Casa Civil, Braga Netto, o ministro das Comunicações, Fábio Faria, e o secretário-executivo do Ministério da Saúde, Élcio Franco.

“Essa possibilidade ontem foi negada. Essa possibilidade no momento não existe”, disse Skaf em entrevista à radio CBN, explicando que o recado passado pelo governo foi de que a campanha de vacinação será centralizada pelo Ministério da Saúde.

“Uma empresa que tenha 100 mil funcionários, se ela quiser ir ao mercado, comprar a vacina e vacinar seus funcionários não pode”, acrescentou.

Apesar da proibição da vacinação pelo setor privado, o presidente da Fiesp afirmou que os empresários saíram da reunião “mais tranquilos” em relação ao início e ritmo da campanha nacional de vacinação.

Skaf disse que dinheiro para comprar vacina tem, assim como logística e estrutura para a vacinação.

‘A gente não está concorrendo com o governo’, diz presidente da ABCVAC sobre compra de vacinas

Em entrevista à GloboNews nesta quinta-feira (14), o presidente da ABCVAC, entidade que representa as clínicas de vacinação particulares, Geraldo Barbosa, disse que a rede privada quer colaborar e que acredita que o setor está amparado pela legislação atual para adquirir doses da vacina contra o coronavírus. Veja vídeo acima.

“É o momento de todo mundo participar desse processo e mais do que correto que o mercado privado use o seu poder econômico para ajudar o governo”, disse.

Em nota, a Fiesp informou que, durante a reunião, o governo garantiu que o processo está bastante acelerado e que a vacinação começará assim que tiver liberação da Anvisa. “No momento, o governo aguarda a chegada de dois milhões de doses do imunizante da Astrazeneca/Oxford e o Instituto Butantan já tem seis milhões de doses. Ambas vacinas aguardam aprovação da Anvisa para uso emergencial”, disse.

Participaram da videoconferência com o governo empresários que integram o Conselho Superior Diálogo pelo Brasil da Fiesp. O grupo reúne cerca de 50 CEOs, acionistas e chairmans das maiores empresas do país, incluindo representantes de companhias como JBS, Ambev, Via Varejo, Google Brasil, Embraer, Gerdau, Vivo, Raia Drogasil e Riachuelo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui