Líder do Centrão, deputado Arthur Lira é denunciado por corrupção

0
181

Teria recebido R$ 1,6 milhão, do grupo Queiroz Galvão, defesa critica origem da acusação

A PGR (Procuradoria Geral da República) denunciou nesta 6ª feira (5.jun.2020) o deputado Arthur Lira (PP-AL), líder do partido na Câmara e coordenador do bloco de 220 deputados que formam o chamado Centrão, por suposto crime de corrupção passiva em esquema investigado na operação Lava Jato.

A denúncia decorre das investigações do inquérito contra o chamado ‘quadrilhão do PP’ –que já havia resultado em outra denúncia contra Lira, daquela vez por integrar organização criminosa. Agora, a PGR acusa o deputado de ter solicitado e recebido R$ 1,6 milhão do grupo Queiroz Galvão em nome de suposto apoio à manutenção de Paulo Roberto da Costa em diretoria da Petrobras.

As acusações são resultado de depoimentos prestado em acordo de delação premiada do doleiro Alberto Youssef. O relator do inquérito ao qual a denúncia se refere é o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Edson Fachin.

A denúncia surge em resposta a pedido feito em março pela defesa do congressista pelo arquivamento do inquérito, “sob pena de perpetuação artificial e em excesso de prazo de investigação contra um autor sem vínculo algum ou elemento de informação idôneo que indique, sequer em tese, a sua relação com a hipótese criminal“.

Arthur Lira já é réu por suposto recebimento de R$ 106 mil em propina, em 2012, além de responder também por organização criminosa no caso do ‘quadrilhão do PP’. Sua interlocução com o governo de Jair Bolsonaro tem crescido ao passo em que o Planalto se alia ao Centrão.

Em nota, o advogado que representa o líder do PP na Câmara, Pierpaollo Bottini, negou as acusações e contestou a credibilidade das declarações de Youssef. Disse que “fundamentar uma denúncia nas palavras desse doleiro é premiar um ato de vingança contra alguém que se postou contra suas práticas“.

Eis a íntegra da nota:

Contra fatos não há argumentos. Artur Lira fez parte de um grupo que assumiu a liderança do PP e afastou Paulo Roberto Costa e Alberto Youssef do partido. Isso está provado e explica a inimizade dos colaboradores e suas reiteradas tentativas de envolver o parlamentar em ilícitos dos quais não participou. O doleiro diz que Artur Lira recebeu indevidos valores por meio de um operador chamado Ceará, mas este ultimo – também colaborador – desmente tal versão em dois depoimentos. O próprio STF reconheceu as inverdades de Youssef em outros depoimentos contra a Artur Lira. Fundamentar uma denuncia nas palavras desse doleiro é premiar um ato de vingança contra alguém que se postou contra suas práticas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui