PT não vence em nenhuma capital pela 1ª vez desde 1985

0
67

Candidata do PT, Marília Arraes, foi derrotada na disputa para a Prefeitura do Recife pelo primo João Campos.

O resultado final das eleições municipais reforça a trajetória de queda do PT iniciada com o impeachment da presidente Dilma Rousseff em 2016. Com as derrotas de Marília Arraes, em Recife, e João Coser, em Vitória, o PT não venceu em nenhuma capital. É a primeira vez que isso acontece nos últimos 35 anos, desde que Maria Luiza Fontenele foi eleita prefeita de Fortaleza, em 1985, quando os chefes dos Executivos municipais passaram a ser eleitos de forma direta.

No segundo turno, o PT ganhou em apenas quatro das 15 cidades que disputou (Diadema e Mauá, em São Paulo; Contagem e Juiz de Fora, em Minas Gerais). O partido já havia amargado uma redução do número de prefeituras no primeiro turno. No total, o PT elegeu 183 prefeitos este ano ante 256 em 2016 – no auge da crise do impeachment e da Lava Jato – e 630 em 2012. No Estado de São Paulo, berço do partido, o PT elegeu apenas quatro prefeitos este ano.

Ao Estadão a presidente do partido, deputada Gleisi Hoffmann (PT-PR), falou em necessidade de “reconstrução”. “Temos que nos reposicionar e reconstruir. É o que temos que fazer”, disse Gleisi.

Segundo ela, o mapa eleitoral mostra que este processo já começou. A maioria das prefeituras perdidas fica em pequenas cidades do interior, os chamados grotões, enquanto a maior parte das conquistas foi em cidades médias e grandes. “Esta reconstrução já começou, é que leva tempo para dar resultado”, afirmou.

Nas redes sociais, Gleisi destacou a competitividade das candidaturas petistas no segundo turno, mesmo as derrotadas. “O segundo turno mostrou que a esquerda sabe lutar. Nosso desempenho nas grandes cidades e a unidade que construímos em tantas delas confirma que temos uma alternativa para o Brasil”, escreveu ela.

As postagens foram interpretadas como sinal de uma nova atitude do PT em relação aos demais partidos de esquerda. A postura hegemônica e por vezes arrogante dos tempos em que o partido ocupou o governo federal agora vai dar espaço a uma relação mais horizontal.

“Hegemonia se faz com força política e eleitoral. Não é só dizer que tem hegemonia. O PT teve um processo de ascensão e queda. É óbvio que perdeu muita força eleitoral”, disse Gleisi.

Segundo ela, a unidade das forças de esquerda construída em capitais como São Paulo, Fortaleza e Porto Alegre no segundo turno abre um caminho para a eleição presidencial de 2022.

“O segundo turno abre a possibilidade de uma unidade. Não é uma unidade dada. Isso vai depender do que vamos fazer até lá, mas cria condições”, afirmou.

Ela comemorou o desempenho de Guilherme Boulos (PSOL), que chegou ao segundo turno mas acabou derrotado por Bruno Covas em São Paulo. “Boulos é um grande vencedor deste processo e é importante que isso aconteça”, disse Gleisi.

Nos próximos dias o partido vai se reunir para fazer um balanço da eleição municipal. Em conversas reservadas, dirigentes já apontam os principais culpados. Além da própria Gleisi, que conduziu o processo, o ex-prefeito Fernando Haddad – que se recusou a concorrer em São Paulo – e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva são apontados.

O partido não engoliu o fato de Lula ter dito, no dia da votação do primeiro turno, que o PT não apoiou Guilherme Boulos (PSOL) por decisão “soberana” de Jilmar Tatto. A declaração foi considerada uma traição a Tatto. Além disso, petistas avaliam que o resultado evidenciou o declínio do prestígio de Lula como cabo eleitoral. Dirigentes creem que Lula vai perder poder nas decisões internas do partido.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui