Queiroz repassou R$ 72.000 em cheques a Michelle Bolsonaro

0
137

Presidente disse que eram R$ 40.000, extrato mostra 21 cheques compensados, mulher de Queiroz também fez cheques, soma total é de R$ 89.000

Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), depositou R$ 72.000 na conta da primeira-dama, Michelle Bolsonaro, ao longo de 4 anos. É o que mostra a quebra do sigilo bancário de Queiroz, de acordo com reportagem da Revista Crusoé publicada nesta 6ª feira (7.ago.2020).

Eis o resumo dos repasses realizados a cada ano pelo ex-assessor:

  • 2011 – 3 cheques de R$ 3.000 compensados em outubro, novembro e dezembro;
  • 2012 – 6 cheques de R$ 3.000 compensados em janeiro, fevereiro, abril, maio, junho e julho;
  • 2013 – 3 cheques de R$ 3.000 compensados em fevereiro, março e abril;
  • 2016 – 9 cheques de R$ 4.000 compensados em abril, maio (2), junho, julho, setembro (2) novembro e dezembro;
  • Total: 21 cheques somando R$ 72.000.

Apuração do Jornal Nacional indica que Michelle Bolsonaro também recebeu dinheiro de Márcia Aguiar, mulher de Queiroz. Foram 5 cheques de R$ 3.000 e 1 cheque de R$ 2.000, totalizando R$ 17.000.

Somando os valores de Márcia e Queiroz, Michele Bolsonaro recebeu R$ 89.000.

As finanças da primeira-dama já estavam sob a investigação da Receita Federal por causa de 1 cheque assinado por Queiroz no valor de R$ 24.000. O presidente Jair Bolsonaro comentou a existência dos cheques quando Sergio Moro deixou o Ministério de Justiça e Segurança Pública e fez acusações contra ele.

De acordo com o presidente, Queiroz tinha “dívidas” com ele e pagou R$ 40.000.

Leia o que Bolsonaro disse na ocasião:

O caso Queiroz, eu conheço o Queiroz desde 1984, no 8º Grupo de Campanha Paraquedista. Foi para a Polícia Militar. Depois de 1 tempo fizemos amizade. Veio trabalhar comigo e com meu filho. O que porventura ele faz, ele responde pelos seus atos. Não foi por uma, foi por duas vezes que o Queiroz teve dívidas comigo. Me pagou em cheques. E não veio para a minha conta porque simplesmente esses cheques eu deixei no Rio de Janeiro.

Se não estaria na minha conta. E não foram R$ 24.000, foram R$ 40.000. Não é porque uma pessoa, porventura, faz algo de errado e estava ao nosso lado que você tem que ser responsabilizado e o tempo todo cobrado por isso.”

Fabrício Queiroz

O ex-assessor de Flávio Bolsonaro é suspeito de coordenar um esquema de “rachadinhas” –quando funcionários são coagidos a repassar parte de seus salários para seus chefes. Ele teria comandado a operação no gabinete de Flávio, na época em que este era deputado estadual do Rio de Janeiro.

As investigações indicam movimentação suspeita de R$ 1,2 milhão de janeiro de 2016 a janeiro de 2017 nas contas de Queiroz. Ele teria sacado quase R$ 3 milhões. Há indícios de transações suspeitas nas contas de membros da família Bolsonaro e de pessoas próximas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui